O uso da tecnologia na pesquisa pela cura do covid-19

Desde o advento das tecnologias disruptivas, muitos segmentos produtivos obtiveram vantagens. Além das áreas de engenharia, os setores farmacêutico e médico estão entre os beneficiados com o uso de dados armazenados em nuvem, com base em arquiteturas de Ti que permitem a análise de dados em tempo real.

Em tempos de pandemia de coronavírus, pesquisadores do Laboratório de Bioinformática e Química Computacional da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb) utilizam banco de dados computacional para cruzar informações, a fim de comparar drogas antivirais já conhecidas e utilizadas no meio científico.

Neste artigo da Claranet, especialista em arquitetura em nuvem, saiba como o estudo de dados tem sido importante na busca pela cura do novo coronavírus.

Uso de banco de dados e estudo de medicamentos para o coronavírus

Mesmo antes da pandemia, o grupo de pesquisadores da Uesb já analisava dados armazenados em nuvem para estudar medicamentos que pudessem tratar outras doenças.

Mas assim que o novo coronavírus começou a se propagar no país, os cientistas passaram a aproveitar dados armazenados sobre vários substâncias como base de um novo estudo, que visa a encontrar a cura para o COVID-19.

De acordo com Bruno Andrade, um dos cientistas que coordena o grupo de pesquisa, a equipe já desenvolveu várias pesquisas com intuito de descobrir e mapear drogas destinadas ao tratamento de doenças como dengue, leishmaniose e esquistossomose.

Segundo Bruno, após o início da pandemia no Brasil, os pesquisadores decidiram testar as proteínas virais.

O estudo, então, foi norteado na finalidade de buscar moléculas com capacidade de inibir as proteínas virais e bloquear o processo de replicação do vírus.

Comparação de dados

O pesquisador Bruno Andrade enfatiza que a pesquisa trabalha, ainda, a primeira etapa do desenvolvimento de medicamentos.

Para isso, um banco de dados é utilizado a fim de realizar testes computacionais, envolvendo substâncias com potencial para combater a doença.

Desse modo, os resultados são posteriormente encaminhados aos laboratórios, que, por sua vez, executam uma série de exames de comprovação da eficiência da droga.

Em suma, a ideia é comparar drogas já conhecidas. Para isso, os cientistas fazem uso da estrutura de TI e da comparação computacional química com as moléculas que desejam pegar como amostra no banco de dados.

Assim, algumas moléculas são escolhidas. Depois, é feito um acoplamento (um encaixe computacional) para analisar se há ou não afinidade.

A realização da pesquisa contempla uma base de dados com, aproximadamente, 50 mil moléculas, todas naturais.

Desse total de moléculas, os cientistas separaram 40 compostos químicos, que podem ser testados contra o coronavírus.

Arquitetura em nuvem e banco de dados: aliados na resolução de problemas

As pesquisas médicas feitas pelo grupo de pesquisadores nos últimos anos mostram a efetiva importância da arquitetura em nuvem e da análise de dados para resolver ou mitigar problemas.

Assim como ocorre na medicina, aproveite essa tecnologia em sua empresa e faça dos dados um recurso essencial para tomadas de decisão e melhorias operacionais essenciais para seus negócios.

Conte com a Claranet!

A Claranet é especialista em arquitetura para nuvem AWS, oferecendo uma equipe de consultores arquitetos com certificados pela AWS em nível profissional.

Isso nos permite definir as melhores arquiteturas para combinar os recursos AWS certos para cada tipo de carga de trabalho, contemplando alta-disponibilidade, performance, escalabilidade e otimização de custos.

Fale conosco!

Dúvidas? Entre em Contato conosco

Fale conosco

Por favor, ligue-nos através do número 11 3509-4300 entre as 09:00 - 18:00 de Segunda a Sexta para falar com nossa equipe comercial.

Procura suporte técnico?
A nossa equipe está disponível 24x7x365 para te ajudar, através do número 11 3509-4321.