O que é Cibersegurança?

O custo das violações de dados tem aumentado nos últimos anos. As novas vulnerabilidades que surgiram com a mudança para uma força de trabalho remota expandiram as oportunidades de ataques cibernéticos. O novo cenário trouxe muitos pontos fracos para os hackers explorarem.

Já em março de 2020, a Deloitte descobriu que a pandemia levou a:

  • Maior risco de segurança devido ao trabalho remoto;
  • Detecção e resposta de ataque cibernético atrasada;
  • Lacunas na segurança física e da informação;
  • Um influxo de cibercriminosos.

Somente nos Estados Unidos, desde o início da pandemia, houve um aumento de 300% nos crimes cibernéticos relatados.

Neste cenário, a demanda por investimentos em cibersegurança é urgente. Até o final de 2021, o cibercrime deve custar ao mundo US$ 6 trilhões. Em 2025, esse número deve saltar para US$ 10,5 trilhões.

Para lidar com a crescente projeção de crimes cibernéticos, segundo o Gartner, o mercado global de segurança da informação deve crescer para US$ 170,4 bilhões em 2022.

De acordo com dados do estudo State of Cybersecurity 2021, 61% dos profissionais de segurança cibernética acreditam que sua equipe tem pessoal insuficiente. Além disso, a lacuna de habilidades em segurança cibernética continuará sendo um grande desafio. O estudo aponta que, atualmente, o mercado dispõe de 3,5 milhões de vagas de emprego na área não preenchidas.

Uma coisa é fato: as empresas precisam considerar o risco e o custo dos ciberataques, investindo em métodos para proteger os ativos digitais da organização.

Por isso, neste texto, apresentamos tudo o que você precisa saber sobre cibersegurança.

Continue lendo e saiba por onde começar!

Cibersegurança o que é?

A segurança cibernética ou cibersegurança é a prática de proteger redes, sistemas e qualquer outra infraestrutura digital contra ataques maliciosos.

Com os danos desse tipo de crime projetados para ultrapassar os impressionantes US$ 6 trilhões até 2021, não é de admirar que bancos, empresas de tecnologia, hospitais, agências governamentais e quase todos os outros setores estejam investindo em infraestrutura de segurança cibernética. Essa é a única maneira de proteger suas práticas de negócios e os milhões de clientes que entregam seus dados pessoais.

Mas, afinal, como construir a melhor estratégia de cibersegurança?

Uma forte infraestrutura de segurança inclui várias camadas de proteção dispersas pelos computadores, programas e redes de uma empresa. Com os ataques cibernéticos ocorrendo a cada 14 segundos, firewalls, software antivírus, software anti-spyware e ferramentas de gerenciamento de senha devem funcionar em harmonia para superar os cibercriminosos criativos.

Com tanto em jogo, não é exagero pensar que as ferramentas e especialistas em segurança cibernética atuam como a última linha de defesa entre as informações mais vitais das empresas e pessoas e o caos digital.

Tipos de ataques cibernéticos

Os crimes cibernéticos vêm em todas as formas e tamanhos. Alguns podem ser ataques de ransomware, que consistem no sequestro de ferramentas ou produtos de negócios importantes em troca de dinheiro para liberá-los.

Já outros ciberataques são operações secretas pelas quais os criminosos se infiltram em um sistema para obter dados valiosos apenas para serem descobertos meses após o fato. A seguir, listamos os principais tipos básicos de ataques cibernéticos que afetam milhares de pessoas todos os dias

Malware

É o termo usado para descrever software malicioso, incluindo spyware, ransomware e vírus. Geralmente, ele viola redes por meio de uma vulnerabilidade, como clicar em links de e-mail suspeitos ou instalar um aplicativo perigoso. Uma vez dentro da rede, o malware pode obter informações confidenciais, produzir mais softwares prejudiciais em todo o sistema e até mesmo bloquear o acesso a componentes vitais da rede comercial.

Phishing

É a prática de enviar mensagens maliciosas, geralmente e-mails, projetadas para aparecer em fontes bem conhecidas e confiáveis. Esses e-mails usam os mesmos nomes, logotipos e palavras de uma marca, levando as vítimas a clicarem em links prejudiciais sem suspeitar da legitimidade do conteúdo. Depois que um link de phishing é clicado, os criminosos cibernéticos têm acesso a dados confidenciais, como cartões de crédito, previdência social ou informações de login.

Engenharia social

Basicamente, a engenharia social é o processo de manipular psicologicamente as pessoas para divulgar informações pessoais. O phishing é uma das formas de engenharia social, em que os criminosos se aproveitam da curiosidade natural ou da confiança dos indivíduos.

Um exemplo de engenharia social mais avançada é a manipulação de voz. Nesse caso, os cibercriminosos pegam a voz de um indivíduo (de fontes como correio de voz ou postagem nas redes sociais) e a manipulam para ligar para amigos ou parentes e pedir dados do cartão de crédito ou outras informações pessoais.

Ataque man-in-the-middle

Ataques man-in-the-middle (MitM) ocorrem quando os hackers interrompem o tráfego entre uma transação de duas partes. Por exemplo, os criminosos podem se inserir entre um Wi-Fi público e o dispositivo de um indivíduo. Sem uma conexão Wi-Fi protegida, eles podem, inclusive, visualizar todas as informações da vítima sem nunca serem capturados.

Ataque de dia zero

Ataques de dia zero estão se tornando cada vez mais comuns. Essencialmente, eles ocorrem entre um anúncio de vulnerabilidade de rede e uma solução de patch.

Em nome da transparência e da segurança, a maioria das empresas escolhe anunciar que encontrou um problema com a segurança de sua rede. Os criminosos são rápidos: eles aproveitam a oportunidade para desencadear ciberataques antes mesmo que a empresa possa apresentar um patch de segurança.

Como funciona a cibersegurança?

Com tantos ciberataques sendo explorados pelos hackers, a segurança cibernética foi projetada para fornecer várias camadas de proteção em todos os computadores, redes e programas usados ​​por uma empresa.

Na prática, a cibersegurança permite uma defesa unificada contra ataques cibernéticos em potencial. Para tanto, é importante que a empresa, os profissionais, os processos e a tecnologia sejam projetados para trabalharem perfeitamente juntos.

Com uma boa estrutura e alinhamento adequado entre todos os envolvidos, os sistemas de cibersegurança são capazes de detectar, investigar e resolver possíveis fraquezas e vulnerabilidades no sistema antes que possam ser explorados por um hacker ou software malicioso.

Para que serve a cibersegurança

A importância da cibersegurança está aumentando. Fundamentalmente, nossa sociedade está mais dependente tecnologicamente do que nunca e não há sinais de que essa tendência diminuirá.

Vazamentos de dados que podem resultar em roubo de identidade são agora publicados em contas de mídia social. Informações confidenciais, como números de previdência social, informações de cartão de crédito e detalhes de contas bancárias, são armazenadas em serviços em nuvem como Dropbox ou Google Drive.

E não há como evitar o uso dos sistemas de computador todos os dias: do estudante ao CEO de uma grande multinacional, todos dependemos dessas ferramentas.

Combine isso com o aumento dos serviços em nuvem, segurança insatisfatória da nuvem, smartphones e a Internet das Coisas (IoT) e teremos uma miríade de ameaças à segurança cibernética que não existiam algumas décadas atrás.

Neste cenário, a estratégia de cibersegurança surge como uma resposta para as constantes ameaças, riscos e danos de reputação derivados de violações e vazamentos de dados.

Nos países que já contam com uma política centrada na proteção dos dados pessoais, a cibersegurança tem sido estruturada para garantir:

  • Comunicação imediata das violações de dados;
  • Nomeação de um oficial de proteção de dados;
  • Obtenção de consentimento do usuário para processar informações;
  • Proteção de dados anônimos para privacidade;

Em síntese, a cibersegurança serve para lançar estruturas que sejam capazes de ajudar as organizações a entender seus riscos, melhorar as medidas de proteção e prevenir ataques cibernéticos.

Além disso, diante da conformação de um cibercrime, as empresas têm condições de notificar os envolvidos, bem como acionar o governo o mais rápido possível, buscando de imediato a reparação dos danos.

Cibersegurança ou segurança da informação: qual a diferença?

É verdade que os conceitos de segurança cibernética e segurança da informação, estão se tornando mais semelhantes, mas existe uma diferença fundamental entre eles.

A cibersegurança é uma parte importante da segurança da informação que visa à proteção digital dos dados. Ou seja, essa abordagem gerencia as ameaças direcionadas para as informações transportadas por meios cibernéticos.

Por outro lado, a segurança da informação tem uma abordagem mais ampla. Ou seja, deve garantir a proteção e reduzir os riscos no transporte de dados em qualquer ambiente: digital ou não.

Atualmente, é certo que na maioria das empresas a cibersegurança vem ganhando cada vez mais espaço. Afinal, os dados empresariais e pessoais mais relevantes estão armazenados ou são transportados em meios digitais.

Tipos de cibersegurança

Dentro da abordagem de cibersegurança, é importante que você conheça os diferentes tipos de estratégia usados para garantir medidas de proteção digital.

Além dos softwares de antivírus e das limitações de acesso do usuário, existem outros componentes físicos e “offline” que ajudam a proteger os dados da sua companhia. Saiba quais são os principais tipos de cibersegurança:

Segurança do aplicativo

A segurança de aplicativos é a implementação de várias defesas dentro de software e serviços de negócios para proteger contra uma série de ameaças diferentes. Esse tipo de segurança cibernética requer o design de aplicativos seguros para minimizar o acesso não autorizado e modificações.

Segurança de dados

Esse modelo envolve a implementação de sistemas de armazenamento de dados fortes que são projetados especificamente para proteger as informações enquanto estão sendo armazenadas e em trânsito.

Segurança de rede

A segurança de rede se concentra na proteção de uma empresa contra ameaças externas e internas. Sendo assim, são implementados sistemas de hardware e software projetados especificamente para proteger a rede e a infraestrutura de uma empresa contra uso indevido, interrupções e acesso não autorizado.

Segurança para celulares

As empresas que usam dispositivos móveis, como telefones celulares, laptops e tablets, devem usar medidas de segurança para proteger as informações armazenadas de uma série de ameaças diferentes.

Segurança na nuvem

A maioria dos aplicativos e sistemas em nuvem, como Amazon web Service (AWS), usa medidas de segurança em cloud para proteger os usuários contra várias ameaças.

Claranet: empresa especialista em cibersegurança

Para muitas empresas, manter um time interno de inteligência cibernética nem sempre é viável. Neste caso, a melhor alternativa é contar com o suporte de um especialista no assunto. Afinal, você precisa garantir a cibersegurança corporativa.Essa estratégia evita problemas e prejuízos financeiros e de imagem para a sua marca.

Com mais de 20 anos de experiência em serviços de cibersegurança e treinamento para as maiores marcas em todo o mundo, a Claranet conta com um time de profissionais especialistas em segurança certificados e altamente qualificados. Eles mantêm seus conhecimentos e habilidades atualizados e trabalham para se tornar uma extensão de sua equipe, entregando uma série de serviços importantes. Veja só:

Pentest

Proteja seus dados de negócios, hardware e software utilizando uma abordagem de teste coordenada e cuidadosamente priorizada:

  • Infrastructure testing;
  • Web application testing;
  • Red teaming;
  • Outros testes de segurança.

Continuous Security Testing

Embora o Pentest seja um método comprovado na descoberta de vulnerabilidades, ele é limitado a um curto intervalo de tempo. Já os testes de segurança contínuos são realizados repetidamente para a descoberta de novas vulnerabilidades.

Essa é a abordagem ideal para aplicações em constante mudança que precisam de testes mais regulares do que somente um pentest anual.

Vulnerability Assessment

Este tipo de análise define, identifica, classifica e prioriza vulnerabilidades em sistemas, aplicativos e infraestruturas de rede. Com uma ampla experiência e centenas de diagnósticos já realizados, os processos realizados envolvem o uso de ferramentas de teste como scanners de segurança de rede.

SOC - Security Operations Center

Esse serviço protege seu negócio 24 horas por dia, 7 dias por semana. Em tempo real, monitora e reage a eventos de segurança quando necessário. Conte com reação rápida a incidentes, gestão de crises e coordenação com a equipe de TI da sua empresa, entre outros recursos.

WAF - Web Application Firewall

Aplicações em web sem proteção são pontos de entrada fáceis para hackers e estão vulneráveis a vários tipos de ciberataques. Utilizar a solução de WAF (Web Application Firewall) da Claranet aumenta o nível de proteção das aplicações da web e APIs. A detecção de ameaças, baseada em machine learning, é uma ferramenta importante para a estratégia de cibersegurança.

DevSecOps

Esse serviço representa uma evolução natural e necessária na forma como as organizações abordam a segurança. Pentests e técnicas de análise ativa são, geralmente, ineficazes durante a fase de construção de aplicativos porque exigem uma versão finalizada. O Code Review, serviço da Claranet, mapeia vulnerabilidades no código-fonte durante a fase de design, melhorando continuamente a segurança e reduzindo o tempo de manutenção relacionada a bugs.

Endpoint Security

Traz visibilidade e controle para Zero Trust Network Acess (ZTNA) e Secure Access Service Edge (SASE). O serviço garante segurança e proteção para EndPoints quando estão fora da rede corporativa.

SIEM - Security Information and Event Management

Centraliza o gerenciamento de informações e eventos de segurança a partir da análise de comportamento de usuários e entidades. A ferramenta melhora a detecção de violações e ajuda, inclusive, a preveni-las.

Cases de cibersegurança da Claranet

São vários os serviços de cibersegurança do portfólio da Claranet e, certamente, temos as soluções ideais para a sua demanda. Cada vez mais, empresas de todos os segmentos contam com os serviços e o suporte do nosso time.

A Lojas Bemol, por exemplo, conduziu com sucesso o projeto do banco digital da marca com as soluções de segurança da Claranet.

Já no varejo, o São Roque Supermercados obteve redução de custos de propriedade e de conexões de links mensais com o suporte da Claranet.

A Rádio Transamérica também encontrou a solução perfeita para a sua demanda com a Claranet. Graças ao nosso suporte, a empresa melhorou a segurança dos links de comunicação e registrou redução de custos.

Investir em cibersegurança é uma das prioridades das companhias que desejam se destacar em um mercado altamente competitivo. Quer contar com o suporte da Claranet e blindar sua empresa contra ciberataques? Fale com um especialista de cibersegurança do nosso time.